Beisebol, Melhores Jogadoras Femininas

O primeiro time profissional de beisebol foi o Dolly Vardens da Filadélfia, fundado em 1867 e composto apenas por mulheres.

O beisebol tem a reputação de ser um esporte masculino, as mulheres jogam vôlei, basquete, futebol e softball, mas raramente se ouve falar de uma mulher jogando beisebol. 

Devido à longa história do beisebol feminino, preparamos uma lista com a melhores jogadoras de beisebol desde do início do beisebol até as verdadeiras profissionais que ganharam a vida no beisebol.

Doris Sams

No topo da lista de melhores jogadoras de beisebol está Doris Sams.

Sams foi uma arremessadora que virou outfielder e foi selecionado para a equipe All-Star em ambas as posições. 

Os fãs ainda a consideram a única jogadora a conseguir isso, ela recebeu o prêmio de “Jogador do Ano” duas vezes e passou a fazer parte de cinco equipes All-Star.

Em 1952, ela estabeleceu um recorde de home run com 12 bombardeiros, incluindo o mais longo da história da liga, foi ótima como arremessadora, rebatedora e fielder.

Eri Yoshida

Eri Yoshida vem do Japão, o time de beisebol profissional feminino japonês a convocou com apenas 16 anos, em 2008.

Ela é uma especialista em knuckleball que aprendeu o arremesso sozinha aos 14 anos depois de assistir a Tim Wakefield, sua knuckleball foi cronometrada em 50 mph.

Ela já jogou por vários times profissionais feminino em ligas independentes, no Japão e nos Estados Unidos, e isso a tornou a primeira mulher a jogar beisebol profissional em dois países.

Connie Wisniewski

Ela ganhou seu apelido, o rifle polonês, por causa de sua herança, os fãs também a conhecem como a “Mulher de Ferro” devido à sua durabilidade na AAGPBL. 

Connie foi uma das melhores jogadoras versáteis da história da liga. 

Em 1946 ela abriu 40 jogos e jogou todos completos, ela teve 366 work entries, 79 eliminações, 33 vitórias e 9 derrotas, seu ERA foi de 0,96 e foi nomeada para o ‘Time All-Star’.

Ila Borders

mulheres jogando beisebol
Divuklgação / internet

Borders sem dúvida merece estar na lista de melhores jogadoras de beisebol, era uma arremessadora canhota que se tornou a segunda mulher a iniciar um jogo de beisebol feminino da NCAA. 

Em 1997, ela se tornou a primeira mulher a jogar em uma liga profissional independente de beisebol, e seu desempenho foi limitado a apenas 15 aparições, e postou um ERA de 7,53 sem decisões.

Em julho de 1998, ela se tornou a primeira jogadora a iniciar um jogo profissional de beisebol masculino.

Algumas semanas depois, ela se tornou a primeira arremessadora feminina a registrar uma vitória no beisebol profissional masculino. 

Sua carreira terminou em 2000, após uma temporada decepcionante.

Jean Faut

Em nenhum de seus nove anos na AAGPBL, seu ERA subiu mais de 1,60 pontos, ela foi nomeada All-Star 4 vezes e foi apenas uma das duas a ganhar dois prêmios de Jogador do Ano. 

Ela foi a melhor arremessadora da história do beisebol daquela liga e uma das dez maiores jogadoras de beisebol. 

Jean liderou a liga entre 1950 a 1953, os anos mais amistosos para o ataque na história da liga. 

Ela nunca teve um recorde de derrotas e venceu pelo menos 20 jogos três vezes, duas delas seguidas. 

Dorothy Kamenshek

Ela foi, sem dúvida, a melhor rebatedora da história da AAGPBL e uma das de melhores jogadoras de beisebol feminino. 

Kamenshek foi a única jogadora a ultrapassar a barreira dos 1.000 acertos, terminando com um recorde de todos os tempos de 1.009 acertos e uma média de rebatidas de 0,292, o quarto de todos os tempos.

Sophie Kurys

Os fãs apelidaram a estrela do beisebol Sophie Kurys de ‘Tina Cobb’. Ela ganhou esse apelido devido à sua semelhança com um dos maiores jogadores de beisebol, Ty Cobb. 

Em 1946, em apenas 113 jogos, ela roubou 201 bases, o que não é apenas o recorde da AAGPBL, mas o recorde mundial do beisebol profissional.

Em sua carreira, ela acumulou um total de 1.114 bases roubadas, o recorde de todos os tempos para a liga e o recorde mundial até ser superado por Rickey Henderson em 1994.

pt Português
X